Olho Seco

Estrias angioides
6 de dezembro de 2018

Nunc felis. Curabitur ac ipsum. Pellentesque nibh ultricies est. Maecenas consequat, augue a venenatis risus. Ut id mollis vel, lacinia quam. Praesent blandit malesuada. Suspendisse commodo

 
 
 

O que é o olho seco?

Você já sentiu dificuldade para piscar? Percebe que seus olhos não estão lubrificados adequadamente? Passou pela famosa “irritação ocular”? Usou a expressão “sinto como se houvesse areia nos meus olhos”?

Se sua resposta foi “sim” a essas perguntas você provavelmente já esteve diante de uma situação de olho seco.

Nos encontramos diante de um quadro clínico de síndrome do olho seco quando a produção ou a distribuição de lágrimas não está sendo suficiente em quantidade ou principalmente em qualidade.

O problema pode surgir em um dos olhos (unilateral) ou em ambos (bilateral).

Fatores como excesso de exposição ao ar condicionado, poluição, excesso de exposição ao sol, vento excessivo e ambientes com pouca taxa de umidade no ar podem contribuir com o quadro. O cuidado com a utilização de cremes dermatológicos ou pomadas ao redor dos olhos também deve ser redobrado.

O olho seco pode ocorrer em pessoas de ambos os sexos e em qualquer idade, embora o sexo feminino seja o mais afetado.

 
 

O que é a síndrome do olho seco?

Se o seu caso não é esporádico e não está ligado aos fatores comuns, é melhor procurar seu oftalmologista. Você pode estar diante da síndrome do olho seco ou síndrome da disfunção lacrimal, problema comum e geralmente crônico.

Nossas lágrimas são produzidas pelas glândulas lacrimais e possuem a função de proteger a superfície ocular das infecções e dos impactos negativos provocados por agentes externos.

São compostas por vitaminas, minerais, proteínas e lipídios, que lubrificam a córnea, formando o filme lacrimal.

O filme lacrimal possui três camadas. Caso alguma destas camadas tiver sua produção alterada, pode-se desenvolver o olho seco.

A Síndrome do Olho Seco se não tratada corretamente, pode levar à perda da visão temporária ou definitiva.

Outro fator que deve ser levado em consideração é que muitas vezes a síndrome é um sintoma de doenças, como artrite e lúpus.

Portanto concluímos que existem diferentes causas para a síndrome da disfunção lacrimal e é preciso procurar um especialista para que este determine a principal fonte.

Para que seja efetuado o diagnóstico, o oftalmologista verificará o histórico do paciente, os seus sintomas e realizará exames que medem a qualidade e a produção das lágrimas.

Estes testes são rápidos e em geral indolores e não são invasivos. São utilizados desde corantes que acusam pontos ressecados, até imagens captadas por câmeras especiais.

Existem formas eficazes para o controle da doença, que permitem com que o paciente possa ter uma vida completamente normal.

 
 

Fatores que trazem riscos do indivíduo ter a síndrome do olho seco

● População acima de 40 anos, pois a produção de lágrimas diminui com o passar dos anos;

● Uso de anticoncepcionais ou menopausa, devido as alterações hormonais;

● Usuários de lentes de contato;

● Uso de medicamentos para acne, antidepressivos e diuréticos, hipotensores, anti-histamínicos, descongestionantes, entre outros também podem influenciar o sistema lacrimal.

● Pacientes que já tenham feito cirurgia ocular a laser;

● Falta de vitamina A e ômega 3;

● Doença de Parkinson;

● Síndrome de Sjögren;

● Blefarite, inflamação das pálpebras ou qualquer outra anormalidade nas mesmas.

 

Conheça os sintomas da síndrome do olho seco:

Nem sempre damos atenção aos pequenos sintomas, mas é através deles que podemos identificar doenças no estágio inicial.

Fique atento caso verifique: vermelhidão, ardência, queimação, coceira, irritação excessiva do olho (“sensação de que os olhos estão cheios de areia”). Pode ocorrer visão turva ou "embaçada", principalmente, ao entardecer. Aversão a luz.

Em algumas situações pode verificar-se dor nos olhos que pode ser mais intensa nos casos mais graves.

 
 

Qual o tratamento?

Existem diversos tratamentos para a síndrome olho seco, entre o mais comum estão as lágrimas artificiais em gotas (os famosos colírios) colocadas nos olhos várias vezes ao dia, conforme a necessidade.

Nestes lubrificantes oculares é interessante que não estejam presentes em sua fórmula conservantes, uma vez que a sua utilização pode causar outros problemas oculares como alergias e conjuntivites.

Mais nem sempre o uso de um colírio lubrificante é suficiente, sendo necessário o emprego de colírios antiinflamatórios, imunomoduladores dentre outros.

Diante de tantos problemas que a utilização de colírios pode causar frisamos que só o aconselhamento com o médico especialista em Oftalmologia, é capaz de determinar o tratamento eficaz.

Muitos desses produtos são vendidos como simples lubrificantes e na verdade contém vasoconstritores, o que a princípio pode acalmar a vermelhidão mais agravar o olho seco e levar a outros efeitos colaterais.

Em determinadas situações, são necessárias abordagens mais incisivas como a oclusão dos pontos lacrimais, que se trata de uma espécie de fechamento (de um ou mais) dos dutos lacrimais para que se evite a perda das lagrimas. São utilizados plugs de silicone, através de procedimento cirúrgico.

O doente mesmo seguindo o tratamento médico específico para o seu caso, deve evitar o contato com os fatores de risco.

Primeiramente vá a uma consulta com um oftalmologista de confiança para que possa ser efetuado o diagnóstico correto e verificado se o olho seco não é sintoma de doenças ainda mais graves. A escolha do profissional é muito importante.

E todos podemos efetuar algumas medidas preventivas, um tanto quanto mais naturais e que preservem a boa saúde dos olhos.

Nos preocupamos tanto com saúde, alimentação, bem-estar, não podemos nos esquecer dos olhos.

Confira nossas dicas a seguir:

● Lave sempre as mãos e os punhos antes de levá-las aos olhos;

● Não se automedique. Na dúvida procure um oftalmologista.

● Não durma de maquiagem.

● Utilize umidificadores de ar, principalmente no inverno.

● Não fume ou tente não ficar tanto tempo perto dos fumantes, as fumaças liberadas pelo cigarro agem diretamente nos olhos.

● Mude seus hábitos de trabalho, de estudo, de utilização de dispositivos digitais.

● Passe a fazer pausas de descanso para os seus olhos.

● Faça uma adaptação da iluminação do local de trabalho e de sua casa.

● Ajuste a iluminação dos monitores.

● Use óculos de sol.

● Utilize óculos de natação

● Não exponha os olhos diretamente a aquecedores e ar-condicionado.

● Faça uma dieta rica em vitamina A, que pode ser encontrada em diversos legumes e frutas.

● Cuide para não ter insuficiência de ômega 3 ou desequilíbrio da relação ômega 6 com ômega 3. O que também pode ser evitado através de uma boa alimentação, que inclua frutos do mar, sementes e oleaginosas.

● Diminua o consumo de sódio. Beba muita água, a hidratação do corpo está diretamente ligada a hidratação ocular.

● Durma bem, o problema com o sono pode contribuir diretamente para os olhos secos. Quando você dorme a camada do filme lacrimal se renova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *